WEB

BUSCA NO SITE

Edição Atual Edições Anteriores Adicione aos Favoritos Defina como página inicial

Indique para um amigo


O Evangelho com
busca aleatória

Biblioteca Virtual
 
Biografias
 
Filmes
Livros Espíritas em Português Libros Espíritas en Español  Spiritist Books in English    
Mensagens na voz
de Chico Xavier
Programação da
TV Espírita on-line
Rádio Espírita
On-line
Jornal
O Imortal
Estudos
Espíritas
Vocabulário
Espírita
Efemérides
do Espiritismo
Esperanto
sem mestre
Links de sites
Espíritas
Esclareça
suas dúvidas
Quem somos
Fale Conosco

 

Biblioteca Virtual

Para visualização da maioria dos livros é necessário o aplicativo Adobe Acrobat Reader. Caso não tenha, faça o download gratuito no link ao lado. Clique para baixar o programa
Em cumprimento a Lei 9.610 de 19/02/98 sobre direitos autorais, alguns dos livros são oferecidos para uso exclusivo de deficientes visuais. Contamos com sua compreensão e respeito.


 
 

Chico Xavier - Coleção Completa
Obras do nº 341 ao 35
0


A VERDADE RESPONDE

Espírito: Emmanuel / André Luiz
Livro - 341 / Ano - 1990 / Editora - IDE

 

As indagações sempre se renovam, em toda parte. Inquirições da vida no mundo, especialmente as respostas, em todas as circunstâncias foram baseadas nas interpretações pessoais daqueles que as formulam.
Sábios de todos os tempos e procedências se manifestam no assunto para reconhecer que as suas teorias ou análises sofrem alterações em suas estruturas, o que nos compele a declarar que o mesmo nós, os amigos desencarnados, ás vezes, modificamos informes e concepções no desdobramento das tarefas individuais ou nos eventos evolutivos. Chega, porém, um dia em que a verdade nos surge na vida íntima, esclarecendo-nos preparando-nos para novos passos, no rumo do Conhecimento Superior.
Não acreditamos exista em metro para medi-la e continuamos na caminhada para diante.
Não temos, porém, essa pretensão de definir o que seja a verdade, mas sabemos que a verdade é a bússola de nossa marcha e que aparece inevitável nos caminhos em que ela nos responde, acrescida sempre de mais luz, em nós mesmos, respondendo-nos ás indagações, em nome de Deus.

Emmanuel

(Uberaba, 21 de junho de 1990)


FULGOR NO ENTARDECER
Espírito: Diversos
Livro - 342 / Ano - 1991 / Editora -
UEM

Conhecidos  e  inspirados  poetas  oferecem-nos,  pela  mediunidade  de  Chico  Xavier,  magníficas  trovas  de  belo  conteúdo  espiritual,  convocando-nos  a  construtivas  reflexões  em  face  da  vida.  Emmanuel,  com  sabedoria  de  sempre,  prefacia  o  livro  com  admirável  narrativa.


AÇÃO, VIDA E LUZ
Espírito: Diversos
Livro - 343 / Ano - 1991 / Editora - CEU

Amigo Leitor
Sintetizando os assuntos, somos induzidos a considerar que a ação construtiva, dentro da vida, é o caminho mais objetiv
o para a assimilação da Luz Espiritual.
Propositalmente, alguns companheiros e nós mesmos registramos neste volume três épocas diferentes, no entardecer do presente século, tentando emoldurar as nossas afirmativas com a demonstração dos eventos que nos sensibilizaram no pretérito e ainda hoje nos ameaçam a paz.
Procuraremos estudar ligeiramente algumas observações quanto aos fatos e ocorrências das duas primeiras épocas a que nos reportamos, para justificar as nossas anotações em face dos momentos históricos que atravessamos na atualidade.
Assim agimos para apresentar aos nossos amigos da Terra quanto nos cabe realizar diante do Cristo, na edificação da Nova Era.
Os eventos a que nos referimos engloba dificuldades e desentendimentos que nos surpreenderam a vida planetária, culminando nas duas grandes guerras, de 1914 a 1918 e de 1939 a 1945, conflitos esses que nos apontaram desilusões e pesadelos, desequilíbrios que ainda, por enquanto, não nos foi possível solucionar e superar.
É possível que a crítica nos reprove o esforço da retrospectiva, no entanto fomos obrigados a isso atendendo-se aos imperativos da Lei de Causa e Efeito e à necessidade de esclarecimento nas áreas da evolução.
Convém asseverar que reconhecemos a simplicidade de nosso pequeno esforço, com a certeza de que a migalha do Bem, onde apareça, de forma limitada, tem o poder da pequenina chama da vela acesa, extingüindo a potência das trevas.
A terceira época de nossas referências é a própria atualidade do mundo, conclamando-nos ao retorno da vida cristã no contexto de nossas existências, voltando-nos para os ensinamentos de Cristo com a reformulação de nossos conceitos e preceitos  de que necessitamos para a instalação de uma vida nova.
A Terra, repleta das inquietações, como que nos adverte, com relação à tempestade provável que as nuvens de nossos erros e deserções geraram contra nós mesmos.
Analisemos os acontecimentos do nosso tempo e ajustemo-nos à Lei do Bem, da qual Jesus, o Nosso Divino Mestre, nos espera para usufruirmos todos juntos a paz e a alegria que assinalam o Reino da Luz.

Emmanuel
(Uberaba, 29 de novembro de 1990)


ASSUNTOS DA VIDA E DA MORTE
Espírito: Diversos
Livro - 344 / Ano - 1991 / Editora - GEEM

A morte para as criaturas terrestres terá um dia exato e virá aos homens pelos desígnios de Deus? Ousamos afirmar que a desencarnação tem dia certo, no tempo; no entanto, é justo comentar o problema na pauta da lógica: quando a pessoa humana recebe com paciência as dificuldades passageiras que precedem o fim do corpo de que se utilizou para o estágio, no mundo físico, encontrando a morte em ocorrências ou moléstias com as quais não contava, poder-se-á concluir, com razão, que o desenlace se verificou conforme as determinações das Leis Universais que, a rigor, sintetizam a Lei Divina.
Nesses casos, é razoável declarar que a desencarnação se verificou, em nome de Deus, no dia certo.
Não sucede o mesmo quando a morte se debita à conta dos desequilíbrios ou à imprudência dos homens que trocam a própria vida por atos conscientes e aventuras outras, abusando do seu próprio livre-arbítrio.
Compreendamos, pois, que desencarnação tem o dia certo, segundo a Lei Divina, e o dia exato, conforme o comportamento do homem.
Entendamos, assim, que a morte na Terra age em conexão com a Lei Divina ou com as diretrizes errôneas das criaturas quando se tornam irresponsáveis.
Eis porque considerarmos que a desencarnação se nos apresenta em aspecto bilateral: a cessação da vida no corpo de matéria densa de acordo com os Propósitos Divinos ou conforme os desajustes dos homens.
Dia certo para a morte, em nome de Deus ou dia certo para o desenlace, em nome das criaturas humanas.
É natural que venhamos a considerar que o homem em qualquer lugar respondem por si próprio.
Que dizer do homem que fugiu da instituição em que lhe foi concedida a bênção do trabalho para não observar as consequências dos seus próprios deslizes dentro dela? daquele que não quer enxergar as próprias dúvidas que ele mesmo criou? da jovem que se entregou ao suicídio, alegando paixão por alguém, indiferente ao sofrimento dos pais desolados? da mulher que parte para o Mais Além em vista da afeição possessiva com que estimaria prender o homem amado? da pessoa que não se conforma com as circunstâncias da própria existência? daquele outro que prefere a morte para não conviver com os parentes enfermos, junto dos quais foi chamado a viver? do homem ou da mulher que se encharcam de alcoólicos, esquecendo o compromisso que assumiram e daquele outro que prepara ciladas contra irmãos indefesos nos caminhos da vida?
Sem dúvida, a morte não será um ninho de rosas para aqueles que olvidam a própria responsabilidade.
Digne-se o caro leitor, lendo as páginas deste livro simples despretensioso, que concordará conosco que, em toda parte, encontraremos as Leis Imutáveis de Deus.

Emmanuel
(Uberaba, 12 de setembro de 1990)


CARMELO GRISI, ELE MESMO
Espírito: Carmelo Grisi
Livro - 345 / Ano - 1991 / Editora -
GEEM

- Pai, era um exemplo de trabalho e retidão para a família, que lhe foi motivo para respeito e entendimento.
Com semelhante comportamento, deixou na Terra filhos admiráveis pela nobreza de caráter, que lhe honram a memória.
- Cidadão, foi um padrão de paz e serviço ao próximo. Exerceu atividades diversas, distinguindo-se na execução dos compromissos que assumia e pelo máximo esforço que efetuava para fazer o melhor.
- Enviuvando muito cedo, consagrou-se inteiramente aos familiares que lhe retribuíam o afeto. Em companhia dos filhos e de alguns amigos, fundou o Lar da Irmã Elvira, na cidade de Votuporanga, Estado de São Paulo, pois, era o nome da companheira que havia partilhado com ele as dificuldades e alegrias da vida, sempre interessado na obra do bem que lhe falava dela ao coração.
O lar da Irmã Elvira se transformou em abrigo para todos os necessitados, especialmente para as crianças carecedoras de amparo.
- Era alegre sem imprudências, edificando esperança e otimismo em todos aqueles que se lhe faziam ouvintes.
- Era particularmente o homem das boas obras, sempre pronto a servir.
- Amigo, foi um servidor leal e devotado, agindo, onde estivesse, em favor dos outros.
- Com estas características, Carmelo Grisi era sincero e espontâneo, aquecendo qualquer conversação e qualquer diálogo com os companheiros, no seu calor e no seu imperturbável ânimo.
- Era forte na fé em Deus e correto na apreciação dos homens de bem.
- Foi humilde sem subserviência; corajoso na travessia das provações do mundo; digno sem orgulho ou vaidade, em nos referindo ao bem que lhe espalhava incessantemente.
Compreensivelmente não era um ativista da morte mas dedicado cultor da vida, como se depreende das comunicações que nos tem trazido até agora, através da mediunidade, confortando e levantando almas que as tribulações da existência venham a ferir.
Eis alguns dos traços do amigo que nos propomos apresentar com o respeito e o carinho que ele sempre fez por merecer.
Lembrando-lhe o trabalho constante e a bondade sem lides, pedimos a Jesus o engrandeça na Vida Maior e o abençoe sempre.

Emmanuel
(Uberaba, 10 de janeiro de 1991)


NOVO MUNDO
Espírito: Emmanuel
Livro - 346 / Ano - 1991 / Editora -
IDEAL

Leitor amigo
De início, notificamos que este livro é formado por nós, com a mediunidade de Francisco Cândido Xavier, e se destinando aos nossos estudos e pesquisas mútuas.
Se alguém dirigir uma indagação sobre o Novo Mundo de hoje, que poderíamos responder?
Dizemos isso em consideração a cada viajor do caminho evolutivo, que fará a resposta com o que sabe e silenciará ou discutirá quanto ao que não aprendeu.
Que diremos das minudências da intercomunicação entre as almas e os mundos; das conexões magnéticas entre eles; das agregações e desagregações atômicas; da saúde física e moral dos monopólios celulares; dos ensinamentos iniciantes da tecnologia; do fenômeno das guerras; das nossas dificuldades de relacionamento; dos desafios da Natureza; das revelações da matéria cósmica; dos poderes da luz; da ciência do bem e dos desequilíbrios do mal; da perenidade do tempo? 
Estaremos respondendo razoavelmente, anotando o que sabemos e respeitaremos a todos os companheiros que se contentem com a ótica de que se servem para a contemplação da Vida Universal. Amigo, este livro nada tem a ver com as nossas presunções particulares.
Não é nosso. É um reflexo da nossa sede de conhecimentos; sede que nos atinge a todos na Terra na viagem para a nossa integração com Jesus, o nosso Divino Mestre, na Vida Espiritual.

Emmanuel
(Uberaba, 20 de abril de 1991)


LUZ NO CAMINHO
Espírito: Emmanuel
Livro - 347 / Ano - 1991 / Editora - CEU

Desde épocas imemoriais o Homem luta com os desafios da Natureza entendendo,  intuitivamente,  que o Criador lhe ofertou uma habitação repleta  de belezas e  facilidades que lhe tornavam o estágio terrestre,  por um  período de tempo, à  feição de promissora escola de aperfeiçoamento.
Dominou   fome,  corrigiu as águas, combateu  doenças,   eliminou  as distâncias, apagou o  fogo  desatado,  criou   água  potável,    domesticou     animais    agressivos, aprendeu   fazer  artificialmente   o  frio  e o calor, regulamentou  os  caminhos  aéreos, descobriu plantas e elementos outros que lhe favoreceram   conquista  de medicamentos que lhe conservam a saúde,  criou  os  poderes da  anestesia e  outros  recursos  que lhe são necessários à vida.
Um inimigo lhe pareceu quase indomável: a  escuridão da  noite.  
Em  todos  os tempos algumas nobres inteligências sonhavam   trabalhavam para decifrar   segredo  da  luz artificial,  a fim de que as comunidades terrestres  se  libertassem da   treva noturna, até  que  Edson  em sua prodigiosa inspiração   conseguisse  enriquecer o mundo  com   benefício da  lâmpada  elétrica.
Até que isso acontecesse, porém , à noite na Terra era  o ponto  habitual  de malfeitores e piratas,  que  se  prevaleciam  da  sombra densa para delitos e furtos  incontáveis.
A matança de  São Bartolomeu,  em  24 de agosto de l572,   na França, ficou no calendário   humano   por   marco   indelével  da crueldade, que a escuridão favoreceu.
O Homem não descansava.
Criou a tocha que o auxiliou através de séculos.  Inventou   vela, a iluminação a gás, sempre contando com a colaboração do fogo,  entretanto, todos  esses  recursos eram deficitários,  ante o desenvolvimento contínuo das populações.
É preciso encarecer, no entanto, que desde o princípio da  Civilização as criaturas humanas tinham  à  frente  o flagelo da guerra, que a inteligência e a habilidade do Homem até hoje não lograram dominar.
É que  além da claridade exterior necessitamos da  luz espiritual que conseguirá  liquidar  as  tramas do  ódio   da ambição que ainda hoje revivem no Homem da tecnologia avançada de  nosso  tempo.  
Em vão a Diplomacia suscita processos de conciliação,  no intuito  de preservar a  paz  entre os povos do Planeta.
Quando os ímpetos da caverna retornam à  mente do espírito excitado dessa ou daquela nação e declara-se a  contenda com objetivos  francamente inferiores, os  povos afiam de novo as  armas,  promovem  o aniquilamento das  cidades  que  eles mesmos construíram e combatem-se entre si, reconstituindo  os  horrores  do   passado   remoto, ao modo de animais ferozes, enlouquecidos no campo.
Leitor amigo, este volume despretensioso é migalha do nosso esforço  em favor da paz, que te colocamos  nas  mãos, com a finalidade  de despertarmos  todos   para  o amor que o Cristo nos ensinou, conscientes que estamos de  que  só  a luz espiritual  no íntimo  da   individualidade  humana  pode renovar o caminho das criaturas.
Reconhecemos a simplicidade de nossas relações,  mas  sabemos que a chama  de uma vela,  conquanto pequenina é capaz de rechaçar as forças da escuridão.

Emmanuel
(Uberaba, 28 de junho de 1992)


PÉROLAS DE LUZ
Espírito: Emmanuel
Livro 348 / Ano - 1992 / Editora -
CEU

Descansávamos, por minutos, na grande  varanda de uma  hospedaria,  onde foram nos visitar um amigo, quando  Felício,  um companheiro  na  pequena excursão,  e eu, tivemos nossa atenção voltada para um grupo de seis crianças,  que brincavam  cortando  papel  que enrolavam  caprichosamente, fazendo bolinhas, com  as  quais competiam entre si, num jogo infantil de força para medir as distâncias.
Notamos que o papel utilizado estava repleto  de  letras   dispomo-nos ambos   ir ao   encontro  dos  pequenos  jogadores  para saber  as minudências  do   que  tratavam,  já que   papel em  utilização  era abundante  e teria custado alto preço.
Os meninos se espantaram  com a  nossa presença   pessoal   nos atenderam  as  perguntas com atenção.
Dirigimo-nos  ao  rapazote  de  provavelmente doze  janeiros  de  idade, que  nos  pareceu   chefe da  turma e pedimos a  ele nos desse  uma daquelas  folhas   notamos  que ali  estavam  gravadas  dezenas de sentenças notáveis  que,  para logo,  reconhecemos  serem de autoria do nosso amigo Emmanuel.
Quem   teria   sido   autor  do impresso que  não  trazia o  nome  da própria  origem?
Perguntamos  ao  dono da  hospedaria,  a um companheiro  que  freqüenta as  reuniões de uma das  casas  espíritas da cidade,   outros  amigos  e ninguém   souberam   responder coisa alguma,   quanto  à  procedência  do interessante documentário.
Na  noite daquele dia, selecionamos cinqüenta pensamentos da  lista e na manhã  seguinte,   fomos   para  São Paulo,   onde  nos acharíamos de passagem.
Reunimo-nos à noite e verificamos,  em companhia de  vários companheiros,alguns deles  médiuns  experientes,   para  nós foi fácil  descobrir  as  fontes dos apontamentos e vimos que  pertenciam  aos livros  de nosso prezado Emmanuel (*).
Oramos  pedindo-lhe colaboração e em breves  momentos, ei-lo conosco. Aprovou-nos,  então,  o desejo de reunir em um livro, as sentenças  que havíamos destacado,  dedicando-as  aos  irmãos  da nossa confortadora Doutrina.
Foi assim que nasceu este livro,  que te ofertamos, alegremente, à  feição de pequeno escrínio, contendo pérolas de luz.
(*) Livros da Federação Espírita Brasileira: 
1     - Caminho, Verdade e Vida.
2     -  Pão Nosso
3      Fonte Viva.
4      Vinha de Luz.
5      Palavras de Vida Eterna.

Emmanuel
(Uberaba, 27 de janeiro de 1992)


LEVANTAR E SEGUIR
Espírito: Emmanuel
Livro - 349 / Ano - 1992 / Editora - GEEM

Leitor amigo
Levantar, erguer, içar, altear são verbos sinônimos; no entanto, cada um, quando vocalizado, pede o objetivo para o qual se dirige, indicando para que, onde, como e quando.
Quando Jesus atendeu o paralítico disse claramente:
- "Levanta-te e segue.
Em síntese, o Divino Mestre convidava-o a erguer-se e seguir adiante, devidamente renovado, auxiliando os outros, qual estava sendo auxiliado.
É que, de modo geral, grande número de criaturas humanas jaz sentada ou acomodada em suas próprias vantagens passageiras.
Ao toque do ensinamento ou da influência de Jesus, se modificam, no íntimo, aceitando a lição do Divino Mestre ou magnetizadas pelo encantamento da oração.
No conceito delas próprias, espiritualmente se levantaram para a fé que não possuíam, adquirindo uma postura de confiança em Deus que se lhes mantinha ignorada. Sentem-se erguidas a novas concepções da vida ou em novos pensamentos, mas que se esquecem da ação que lhes complementaria a libertação dos males ou imperfeições que ainda carregam.
Levantam-se, entretanto, prosseguem na rotina a que se habituaram.
Alteiam-se no campo emotivo, mas não se movimentam para o trabalho do bem ao próximo.
Quem recorre ao Cristo, extasia-se com a suavidade imensa que lhe caracteriza a presença no próprio coração, entretanto, não basta essa forma de encantamento para lhe alterar a vida pessoal.
A inteligência se altera na maneira de ser das pessoas, mas prossegue acomodada nos seus próprios interesses de ordem material.
Levantar e seguir, na lição do Senhor, significa movimentar-se buscando o caminho que Ele mesmo trilhou, trabalhando quanto lhe seja possível a benefício dos nossos irmãos, sejam que sejam, esquecendo-lhes as deficiências e erros, encorajando-lhes a renovação para o bem, olvidando-lhes quaisquer ofensas, ignorando-lhes, voluntariamente as fraquezas e amparando-lhes as necessidades, perdoando e amando, instruindo, sobretudo com os próprios exemplos, e doando-lhes o conhecimento da vida, soerguendo-lhes as forças quando as provações ou problemas lhes marquem os dias, sem esperar compensação de qualquer natureza.
Em suma, erguendo-se e acompanhando os passos do Divino Mestre que nos deixou essa fórmula inesquecível:
- "Quem procura encontrar-me, negue a si mesmo, tome a cruz que lhe cabe e siga-me os passos.

Emmanuel
(Uberaba, 5 de junho de 1992)


CENTELHAS
Espírito: Emmanuel
Livro - 350 / Ano - 1992 / Editora - IDE

Muitos leitores e amigos nos solicitam em cartas confortadoras:
- “Por que não nos escrevem livros de tamanho menor para a aquisição rápida de conhecimento?”
- “Dispomos de tempo estreito e estimaremos receber volumes que se assemelhem a resumos dos ensinos da Espiritualidade...”
E, muitas vezes, meditamos no valor de um diálogo entre amigos num traço de caminho; numa viagem ligeira em que se possa fazer a leitura de alguns pensamentos educativos; numa hora de reconforto recíproco; em alguns momentos de paz e meditação e produzimos este livro com o desejo de corresponder aos nossos companheiros.
Eis como e porque nasceu este livro a que denominamos “Centelhas”.
Sabemos que uma centelha de luz é capaz de acender uma vela ou fazer o fogo construtivo que aqueça o lar.
Assim, leitor amigo, oferece a vocês este volume de trechos pequeninos.
Que estas páginas consigam auxiliar-vos de alguma forma beneficiando-vos os pensamentos, são os nossos votos.

Emmanuel
(Uberaba , 10 de setembro de 1992)


Voltar à página anterior


O Consolador
 Revista Semanal de Divulgação Espírita