WEB

BUSCA NO SITE

Edição Atual Edições Anteriores Adicione aos Favoritos Defina como página inicial

Indique para um amigo


O Evangelho com
busca aleatória

Biblioteca Virtual
 
Biografias
 
Filmes
Livros Espíritas em Português Libros Espíritas en Español  Spiritist Books in English    
Mensagens na voz
de Chico Xavier
Programação da
TV Espírita on-line
Rádio Espírita
On-line
Jornal
O Imortal
Estudos
Espíritas
Vocabulário
Espírita
Efemérides
do Espiritismo
Esperanto
sem mestre
Links de sites
Espíritas
Esclareça
suas dúvidas
Quem somos
Fale Conosco

 

Biblioteca Virtual

Para visualização da maioria dos livros é necessário o aplicativo Adobe Acrobat Reader. Caso não tenha, faça o download gratuito no link ao lado. Clique para baixar o programa
Em cumprimento a Lei 9.610 de 19/02/98 sobre direitos autorais, alguns dos livros são oferecidos para uso exclusivo de deficientes visuais. Contamos com sua compreensão e respeito.


 
 

Chico Xavier - Coleção Completa
Obras do nº 141 ao 15
0


BUSCA E ACHARÁS

Espírito: Emmanuel / André Luiz
Livro - 141 / Ano - 1975 / Editora - IDEAL

 

Leitor Amigo
Há quem indague porque não nos empenharmos no levantamento de arquivos para documentários no levantamento de arquivos para documentários históricos; ou porque não nos devotarmos especificamente à formação de livros contendo mais amplos informes sobre a vida no Além.
Entretanto, juntamente dos companheiros que formulam semelhantes perguntam a quase totalidade dos amigos que se interessam por nossas manifestações, solicitam respostas aos problemas da atualidade terrestre.
E os temas se alinham, inquietastes.
Os conflitos do lar.
Os esquemas da família, diante da reencarnação.
Os parentes difíceis.
Os desajustes psicológicos.
As questões afetivas.
As desvinvulações.
Os processos de obsessão.
As provas em grupo.
A sede de paz íntima.
A educação para o lazer.
A solidão espiritual.
O suicídio.
O desânimo.
O tédio.
A fuga.
O alastramento da angústia.
O abuso dos medicamentos de apoio.
Os imperativos de adaptação ao concurso da máquina.
As queixas em matéria religiosa.
A renovação da fé.
As pesquisas da ciência.
As ilusões de materialismo.
Os enigmas do sofrimento.
O destino e o livre arbítrio.
Os desafios da morte.
E já que a criatura humana instintivamente sabe que a existência prossegue, além da desencarnação, somos convidados ao diálogo, diante do qual não nos seria lícita a omissão.
Este livro não tem pretensões de elucidário, mas é feito com pedaços da amizade que nos impulsionou a escrevê-lo.
As páginas que reunimos são parcelas de conversações íntimas com os irmãos que desejam valorizar a vida e aproveitar as vantagens do tempo.
Pequenos textos de apoio fraterno e considerações ligeiras aqui se aliam em nossa modesta cooperação no intercâmbio espiritual.
Ensinou-nos Jesus: “busca e acharás”
Procuremos os recursos e as bênçãos de que nos sintamos necessitados, aprendendo a prestigiá-los e assimilá-los, sem abuso, quando o Senhor no-los coloque nas mãos.
Assinalando as presentes anotações, se as nossas páginas conseguirem colaborar para o bem, nesse ou naquele grupo de companheiros, agradecemos a oportunidade de trabalhar, ao mesmo tempo que renderemos graças a Deus.

Emmanuel
(Uberaba, 21  de fevereiro de 1976)


AMANHECE
Espírito: Diversos
Livro - 142 / Ano - 1975 / Editora -
GEEM

Referíamo-nos ao Cristianismo Redivivo por dia novo na Terra.
As referências explodiam relampagueantes, quando um amigo pintor aduziu, fazendo surpresa:
- "E se fixássemos o alvorecer da Era Nova em traços e cores?"
Impossível a execução de um plano assim arrojado; no entanto, alguém lembrou que um livro, na essência, é um quadro de idéias, definindo determinadas realizações.
Foi assim que o projeto deste volume se nos configurou, de imediato, e aqui reunimos páginas nossas, em que nos reportamos às criações espirituais, necessárias à instalação da paz e da felicidade para a Terra hoje.
Cada companheiro, nesta despretensiosa galeria de pensamentos, expõe a contribuição que lhe é própria e, de comentário a comentário, tentamos formar a tela espiritual de nossas esperanças.
Aqui, um de nós espalha as tintas da fé; ali, outro oferta destaque à beneficência; além, parece quem procura fixar as cores da alegria; mais adiante, surgem obreiros salientando o espírito de serviço.
O quadro, confeccionado dentro das nossas estreitas possibilidades, aqui se encontra em forma de livro.
AMANHECE é o nome deste noticiário da alma, condensado numa palavra única.
E entregando-te, leitor amigo, estas páginas simples, convidamo-te a refletir nas luzes de nossa época, em que a Terra começa a envolver-se nos clarões de novo amanhecer, rogando ao Senhor nos conceda o privilégio de trabalhar para que esse novo dia nos encontre - a nós todos, espíritos em evolução no Planeta, irmanados no mesmo anseio de paz, com a benção do amor a encaminhar-nos para Deus.

Emmanuel
(Uberaba, 21  de fevereiro de 1976)


RECANTO DE PAZ
Espírito: Diversos
Livro - 143 / Ano - 1976 / Editora -
IDE

Aos leitores
Estou feliz em poder passar para as suas mãos este livro que espero lhes traga benefícios, e também por servir de instrumento para que o irmão Luís Gustavo possa passar para todos o que ele vivenciou numa de suas passagens pela Terra e que só agora foi permitido ser revelado.
Este irmão, apesar de estar conosco há pouco tempo, já é muito querido, pois as suas mensagens nos trazem muita paz e nos ajudam a compreender que não morremos, poi somos eternos.
Normalmente sofremos quando perdemos estes queridos. Esta história nos ajuda a compreender melhor a vida e o desencarne, nos deixando mais aliviados em saber que podemos revê-los um dia, através da nossa mediunidade ou após o desencarne. Espero que entendam tudo que o irmão está nos passando, outras oportunidades virão.
O irmão Luís, assim como eu, está muito feliz; esperamos que este livro abra um grande horizonte em suas vidas, fazendo-os compreender o significado da vida e de tudo que encontrarão pelos caminhos, e que saibam valorizar o chamamento. Deus é o caminho, nós somos seus servidores, ajudá-los é a nossa meta, e assim irmãos, esperamos que o Recanto de Paz seja para vocês uma porta aberta para o seu encontro com Deus.
Muita paz

A autora


DEUS SEMPRE
Espírito: Emmanuel
Livro - 144 / Ano - 1976 / Editora -
IDEAL

Envolvendo temas do cotidiano, esta obra traz diversas mensagens de rápida leitura contendo ensinamentos que proporcionam instantes de paz, renovação e harmonia.
Estimula o leitor a estreitar os laços com a Espiritualidade Maior.
Mensagens que transmitem paz, esperança, otimismo e muita confinça em Deus


SOMOS SEIS
Espírito: Diversos
Livro - 145 / Ano - 1976 / Editora -
GEEM

Votos de Amigo
A juventude expressa o amanhecer no dia da existência terrestre. E, neste livro, colhemos impressões e notícias de companheiros que regressaram à Espiritualidade Superior, nesse momento super-iluminado de quantos se encontram no Plano Físico.
Ainda assim, eles não escrevem unicamente para os corações aquecidos na primavera das forças corpóreas, mas dirigem-se a quantos se localizem nas variadas faixas do tempo, no tempo terrestre.
Amigo do progresso e da elevação, fornecem a todos os espíritos vinculados à Terra a alegria da criatividade na Seara do Bem e a certeza da imortalidade, acima das provas e experiências que burilam os homens.
Nas entrelinhas de cada mensagem confortadora, esclarecem que as regiões etárias da estância humana, quaisquer que sejam, se caracterizam de muita importância para a alma e que, do alvorecer à noite, no dia da existência planetária, é convidada pela verdade ao plantio do amor, visando a colheita de felicidade e de luz, nos campos da Vida Maior.
Que as palavras desses construtores de renovação nos auxiliem a formar, com segurança, nas falanges do bem e da paz, do aperfeiçoamento e da alegria, de que os autores deste volume se fazem integrantes operosos e felizes, são os nossos votos.

Emmanuel
(Uberaba, 1 de julho de 1976)


TINTINO... O ESPETÁCULO CONTINUA
Espírito: Francisca Clotilde
Livro - 146 / Ano - 1976 / Editora -
FMG

Leitor amigo
Quando Francisca Clotilde, a educadora, acabou de contar a história de Tintino, num de nossos serões espirituais, o enternecimento nos tomara, de todo.
- Escreva, Francisca, escreva algumas notas sobre o nosso herói de vida simples - solicitou uma de nossas companheiras - transmita alguma notícia dele aos nossos irmãos do mundo físico. Esse é um episódio em que se reconhecerá o salário dos Céus aos que distribuem na Terra coragem e esperança, paz e alegria.
No dia imediato, estávamos a postos, em companhia da instrutora, junto do médium que nos acolhia.
A nobre amiga, depois de nossa prece, passou a escrever, mediunicamente, a história-poema que te colocamos nas mãos, agradecendo a Bondade de Deus.
Quando terminou a narrativa, reconstituindo a saga autêntica de um palhaço sensível e afetuoso, a autora mostrava os olhos iluminados de profunda alegria, relembrando a figura de Tintino que os arquivos da memória lhe colocavam à frente do coração.
Quanto a nós, acompanhando-lhes a página simples e bela, tinha a alma dominada, de novo, pela emoção, sem conseguir articular palavra.

Meimei
(Uberaba, 2 de fevereiro de 1976)


AUTA DE SOUZA
Espírito: Auta de Souza
Livro - 147 / Ano - 1976 / Editora - IDEAL

Notícias de Auta...
Sim, notícias de Auta, "a mais pura e dolorosa poetisa do Brasil", na palavra de Edgar Barbosa; "a eminente e humilde Auta de Souza, a mais espiritual das poetisas brasileiras" - no juízo de Andrade Muricy; "poetisa de raro merecimento" - reconhece Olavo Bilac, que prefaciou seu "HORTO", o único livro que ela nos deixou em sua rápida existência terrestre, uma "vida breve que foi canção, como na música de Manoel de Falla" - qual sente Luís Câmara Cascudo, seu biógrafo.
Tristão de Ataíde, no prefácio à 3ª edição do "HORTO", acentua que Auta de Souza "nunca sonhou com a glória literária. Nem mesmo com esse eco que só depois de morta veio encontrar no coração dos simples, onde toda uma parte de seus poemas encontrou a mais terna repercussão. E esse sentimento de absoluta pureza é o que mais encanta nos seus poemas. Auta de Souza viveu em estado de graça e os seus versos revelam de modo evidente. Daí o grande lugar que ocupa em nossa poesia cristã, em cuja cordilheira sempre há de ser um dos altos mais puros e mais solitários."
Francisco Palma, num soneto que lhe dedica, define-a "a cotovia da rimas."
Jackson de Figueiredo, opinando sobre "HORTO", considera "Auta de Souza como a mais alta expressão do nosso misticismo, pelo menos do sentimento cristão, puramente cristão, na poesia brasileira."
Manuel Bandeira, em formosa crônica na revista "Leitura", declara haver relido a biografia de Câmara Cascudo "com a emoção - confessa - que sempre me despertaram a vida e a obra da poetisa nordestina... (...). Se algum dia escrevesse uma biografia de Auta, bem outra epígrafe (refere-se a "cotovia mística das rimas", de Palma) lhe poria. Nunca vi, é verdade, o canto da cotovia.
Mas sei de cor desde menino, o final da "Morte de D. João":
A estrela da manhã na altura resplandece.
E a cotovia, a sua linda irmã, vai pelo azul um cântico vibrando, tão límpido, tão alto que parece que é a estrela no céu que está cantando!
E assevera concluindo: "Límpido foi o canto de Auta..."
Rematando essas anotações críticas sobre a poética de Auta, é justo anuir ao parecer de Câmara Cascudo: "Não pode haver duas opniões sobre Auta de Souza. É a maior poetisa mística do Brasil".
 

Meimei
(Uberaba, 2 de fevereiro de 1976)


CRIANÇAS NO ALÉM
Espírito: Marcos
Livro 148 / Ano - 1976 / Editora - GEEM

Por que a desencarnação de crianças, vidas taladas em flor?
Muitos problemas observados exclusivamente do lado físico, assemelha-se a enigmas de solução impraticável; entretanto, examinados do ponto de vista da imortalidade e do burilamento progressivo da alma, reconhecer-se-á que o espírito em evolução pode solicitar conscientemente certas experiências ou ser induzido a elas em benefício próprio.
Nas realizações terrestres, é comum a vinculação temporária de alguém a determinado serviço por tempo previamente considerado.
Há quem renasça em limitado campo de ação para trabalho uniforme em decênios de presença pessoal e há quem se transfira dessa ou daquela tarefa para outra, no curso da existência, despendendo, para isso, de quotas marcadas de tempo. Encontramos amigos que efetuam longos cursos de formação profissional em lugares distantes do recanto em que nasceram e outros que se afastam, a prazo curto, da paisagem que lhes é própria, buscando as especificações de que se observam necessitados. E depois dos empreendimentos concluídos, através de viagens que variam de tipo, segundo as escolhas que façam, ei-los de regresso aos locais de trabalho em cuja estruturação se situa.
Esta é a imagem a que recorremos para que a desencarnação de crianças seja compreendia, no Plano Físico, em termos de imortalidade e reencarnação.
Marcos é o companheiro em readaptação na Vida Maior, após haver deixado o corpo de menino num acidente de trânsito.
Ainda a sentir-se criança, no degrau evolutivo em que se acha, escreve aos pais, de modo comovedor, trazendo notícias dele mesmas e dos irmãos que se lhe associaram à prova.
A palavra simples e eloqüente do garoto amigo, a identificar-se, quanto possível, para reconforto dos entes queridos, aqui se encontra, demonstrando que, além da morte do corpo, o espírito prossegue atendendo aos condicionamentos indispensáveis à conquista da evolução que não dá saltos.
Marcos - menino continuará Marcos - menino, por algum tempo, na Espiritualidade, qual acontece ao espírito, mesmo quando procede de Altos Cimos da Vida Superior, ao retornar a Terra, para certos fins, sempre compelido a passar pela estação da infância.
Mas, muito acima de nossas modestas argumentações, o que vale neste livro é o consolo iluminado de esperança que ressuma destas páginas, não somente para os genitores do comunicante, mas também para aqueles outros pais e mães do mundo que perderam filhos amados no alvorecer da existência.
Marcos, o suave mensageiro, deixa claro que a vida prossegue no Mais Além; que novas áreas de assistência se descerram depois da experiência física, em auxílio dos pequeninos canescentes de instrução e ternura; que os laços afetivos não desaparecem e que Deus concede filhos aos pais humanos, não a fim de separá-los para sempre, e sim para que, na vida ou além da morte, haja entre eles a benção da união eterna com a luz perene do amor.

Emmanuel
(Uberaba, 3 de outubro de 1976)


BAÚ DE CASOS
Espírito: Cornélio Pires
Livro - 149 / Ano - 1976 / Editora - GEEM

Encontro de Amigos:
Caro Leitor, este livro dispensa qualquer apresentação.
Bastar-nos-á dizer:
- “Cornélio recebe os amigos.”
Imaginemo-nos num salão de encontros fraternos, onde o anfitrião nos acolhe afetuosamente, no intuito de entreter-nos e instruir-nos.
A imagem está claramente adequada a este volume.
Cornélio Pires, o irmão e companheiro, aqui nos oferta as usa experiências e anotações, apontamentos e avisos, traduzidos em lições por vezes risonhas, mas sempre tocadas de realidade e elevação. Ouçamos o mensageiro, lendo-lhe os temas e respostas e aprendamos com ele a observar construtivamente, rendendo graças a Deus pela oportunidade de conhecer e meditar com segurança, sobre os ensinamentos da vida, a fim de saber melhor e melhor servir.

Emmanuel
(Uberaba, 3 de janeiro de 1997)


AMIZADE
Espírito: Meimei
Livro - 150 / Ano - 1976 / Editora -
IDE

Contam as tradições da Vida Espiritual que o apóstolo João, em se retirando Jesus da ceia que lhe precedeu o encarceramento, perguntou-lhe agoniado:
- Senhor, por que predizes a nossa separação? por que nos deixarás, segundo profetizas?
Acompanho-te os passos e ouço-te as pregações, não porque busque fortuna ou poder, influência ou renome... É que encontrei contigo o que buscava, a compreensão e o amor fraterno, a simpatia e o acontecimento... Senhor, não nos abandones, precisamos de ti...
O Cristo afagou-lhe a cabeça e passou a novas instruções, dentre as quais, afirmou:
- "Já não vos chamarei servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor, mas tenho-vos chamado amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho feito conhecer." (João, 15:15)
AMIGOS foi a titulação mais expressiva que Jesus destacou do vocabulário para definir os companheiros.
Isso naturalmente ocorreu, porque nenhum de nós consegue algo realizar sem amigos que nos comunguem os pensamentos e nos auxiliem a concretizar os próprios anseios.
Pensando na riqueza espiritual da amizade é que Meimei, a irmã que se fez mensageira da Vida Superior, escreveu as páginas deste livro em que se lhe extravasa o coração. Instada a fazê-lo, através de irmãos diversos, ela reuniu neste volume formosa coleção de seus próprios apontamentos para que venhamos a saber o que ela conheceu dos Emissários do Cristo, no sentido de testemunhar-te, caro leitor, a gentileza da Espiritualidade Maior, empenhada a responder-te, quanto possível, as indagações.
Já que não podes comprar doses de coragem, ou comprimidos de paciência, nem adquirir frascos de esperança ou injeções de fé nas instituições do mundo, eis que te oferecemos ao coração as páginas de amizade deste livro, em que Meimei distribui generosamente os mais belos conhecimentos da vida em frases despretenciosas e simples, com os nossos votos ao Senhor para que sejamos todos - nós - os espíritos encarnados e desencarnados ainda vinculados 'a Terra - sempre mais amigos uns dos outros para que, todos juntos, possamos prosseguir na construção do caminho de união e paz, solidariedade e amor que nos religará, de todo, ao Pai Celestial.
 

Emmanuel
(Uberaba, 21 de fevereiro de 1997)


Voltar à página anterior


O Consolador
 Revista Semanal de Divulgação Espírita